QUI SOMMES-NOUS ?

– Nossa história

I LA GENÈSE DU CENTRE

Le Cardinal Ouellet, Préfet de la Congrégation pour les Evêques, avec l’appui d’un conseil scientifique international étoffé, a fondé en novembre 2020, le Centre de Recherche d’Anthropologie et des Vocations, indépendant du Saint Siège.
“Todo chamado de Deus é uma iniciativa do seu amor. É sempre Ele quem toma a iniciativa, Ele te chama. Deus chama à vida, ele chama à fé e chama a um determinado estado de vida: “Quero-te aqui”. O primeiro chamado de Deus é para a vida, com a qual ele nos constitui como pessoas; é uma chamada individual, porque Deus não faz as coisas em série. Então Deus chama para a fé e para ser parte de sua família, como filho de Deus. Enfim, Deus apela a um determinado estado de vida: doar-se no caminho do casamento, do sacerdócio ou da vida consagrada. Estas são as várias formas de realizar o desígnio de Deus, a que Ele tem para cada um de nós, que é sempre um desígnio de amor. Deus sempre chama. E a maior alegria para qualquer crente é responder a este apelo para se oferecer inteiramente ao serviço de Deus e dos irmãos. “> Papa Francisco, Angelus de 17 de janeiro de 2021.

I LA VOCATION DU CENTRE

Tem por objetivo promover e apoiar toda e qualquer ação de pesquisa em ciências sociais sobre vocações na sociedade em sentido amplo e em todos os seus ramos, sejam eles instituições laicas ou religiosas.

Dans cette perspective, elle œuvre pour sensibiliser et informer sur la dignité et la complémentarité de chaque vocation au sein de la société civile et à son service. Selon l’enseignement de l’Eglise, les fidèles du Christ en effet sont égaux en dignité, tout en ayant des vocations différentes et complémentaires : « Entre tous les fidèles, du fait de leur régénération dans le Christ, il existe quant à la dignité et à l’activité, une véritable égalité en vertu de laquelle tous coopèrent à l’édification du Corps du Christ, selon la condition et la fonction propres de chacun. » (CIC, canon 208)

Situé en France, le Centre de Recherche va porter des activités de recherche académique internationale, organiser des événements en vue à la fois de nourrir cette recherche et d’en diffuser les résultats, former ou encore assurer des publications. Il mobilisera ainsi des chercheurs, des théologiens hommes et femmes, religieux ou laïcs venant de tous les continents.

A dimensão antropológica destas obras poderá no futuro refletir sobre uma melhor compreensão das vocações laicais que não são meias vocações ou vocações de segunda categoria, mas se desenvolvem dentro da chamada universal à santidade, fundada no batismo que introduz na Comunhão Trinitária, e que foi recordado com força pelo Concílio Vaticano II: «Munidos de meios salvíficos de tal abundância e grandeza, todos os que crêem em Cristo, qualquer que seja a sua condição e estado de vida, são chamados por Deus, cada um a caminho, a santidade cuja perfeição é a do Pai ”(Concílio Ecumênico Vaticano II, Lumen Gentium, n ° 11) E o Papa Francisco comenta:“Cada um a seu modo diz o Concílio. Portanto, não devemos desanimar quando contemplamos modelos de santidade que parecem inacessíveis. Existem testemunhas que são úteis para nos encorajar e motivar, mas não para que as copiemos, pois pode até nos afastar do caminho único e específico que o Senhor quer para nós. O que importa é que cada crente descubra o seu próprio caminho e dê a conhecer o melhor de si, o que o Senhor colocou nele que é verdadeiramente pessoal (cf. 1 Cor 12, 7) e que não se esgote tentando imitar algo que não foi planejado para ele. Todos somos chamados a ser testemunhas, mas existem muitas formas existenciais de testemunhar.

Ao mesmo tempo, trata-se de compreender o próprio papel do sacerdócio e da vida consagrada que, juntamente com as vocações leigas, constituem os três modos pelos quais os fiéis de Cristo realizam o chamado à santidade inscrito no batismo.

Le centre de recherche va débuter ses travaux autour des fondements théologiques du sacerdoce dans la continuité du concile Vatican II et dûment enracinés dans la Grande Tradition des Pères de l’Eglise.

Sobre o logotipo
Portrait Ouellet Biographie
I BIOGRAFIA DO CARDEAL OUELLET

O cardeal Marc Ouellet nasceu em 8 de junho de 1944 em La Motte, Quebec. Fez seus estudos teológicos no Grand Séminaire de Montréal, onde ingressou em 1964. Ordenado sacerdote na diocese de Amós em 25 de maio de 1968, ingressou na Companhia dos sacerdotes de Saint-Sulpice em 1972, após dois anos como missionário no Grande Seminário de Bogotá, Colômbia. Em 1974, obteve a licença em filosofia preparada em Roma no Angelicum e voltou à Colômbia como professor no Seminário Maior de Manizales, depois tornou-se diretor do Seminário Maior de Montreal em 1976. Em 1983, obteve o doutorado em teologia dogmática na Gregoriana com sua tese intitulada Existência como missão. A Antropologia Teológica de Hans urs Von Balthasar. Depois de ter sido Reitor de vários Seminários Maiores na Colômbia e no Canadá, de 1996 a 2002 ocupou a Cátedra de Teologia Dogmática do Pontifício Instituto João Paulo II da Universidade de Latrão. Nomeado secretário do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos pelo Papa João Paulo II, foi por ele consagrado bispo em 19 de março de 2001. Em 15 de novembro de 2002, foi nomeado Arcebispo de Quebec e Primaz do Canadá, e foi criado Cardeal durante o consistório de 21 de outubro de 2003. Em 30 de junho de 2010, Bento XVI o nomeou chefe da Congregação para os Bispos e da Pontifícia Comissão para a América Latina. Ele publicou Mistério e Sacramento do Amor (Paris, Cerf, 2014), Família, torne-se o que você é! (Paris, Parole et Silence, 2016), Na alegria de Cristo e da Igreja. No coração de Amoris Laetitia: fragilidade integradora (Paris, Parole et Silence, 2018) e Amigos do Noivo. Por uma visão renovada do celibato sacerdotal (Word and Silence, 2019).

I DESCRIPTION HÉRALDIQUE DU BLASON DU CARDINAL 

Blason D’azur à la croix ancrée d’or sur une montagne de trois coupeaux d’argent accostés d’une fleur de lys d’or à dextre et d’une fleur de lys d’argent à senestre. L’azur évoque le ciel de l’Abitibi, lieu de naissance du Cardinal Marc Ouellet, les fleurs de lys, ses origines québécoises et la croix sur la montagne le geste des fondateurs de Ville-Marie à l’aube de la colonie devenue Montréal. L’ensemble symbolise aussi l’héritage spirituel reçu de la Compagnie de Saint-Sulpice et de la Communauté Saint-Jean, fondée par Hans Urs von Balthasar et Adrienne von Speyr : la croix glorieuse sur le calvaire indique la victoire de l’Amour trinitaire sur le péché et la mort; le lys doré représente Marie, symbole de l’Église immaculée; le lys argenté représente Jean, symbole de l’humanité réconciliée. Le tout témoigne de l’unité de l’Église pour laquelle le Seigneur a prié. La devise Ut unum sint, « Qu’ils soient un », est tirée de la prière sacerdotale de Jésus (Évangile selon saint Jean, 17, 21). Elle fait aussi référence à l’encyclique Ut unum sint de Jean-Paul II sur l’engagement œcuménique (25 mai 1995) et au premier ministère épiscopal du Cardinal Ouellet à titre de Secrétaire du Conseil pontifical pour la promotion de l’unité des chrétiens (2001-2002).

couleurs - ouellet insigne
CADASTRO
Inscreva-se agora para participar do Simpósio 2022

NOTICIAS

Consulte nossas últimas notícias e outras publicações sobre vocações.

CONTATO

12 rue Maurice Ravel F-92210 Saint-Cloud
contact@communio-vocation.com

Participar do Simpósio